sábado, 16 de janeiro de 2021

Chuva forte deste sábado causa transtornos em vários pontos da cidade

 


A chuva forte na manhã deste sábado, 16, causou inúmeros transtornos na cidade e também no interior de Caçapava do Sul. Após às 10h, muitas pessoas começaram a relatar os estragos através de suas redes sociais, são inundações, esgotos estourados e danos em ruas e estradas.

Um vídeo foi publicado no facebook e mostra a água invadindo a calçada na rua Benjamin Constant, esquina com Barão do Rio Branco. Nas imagens, a água bate quase na porta dos veículo e os bueiros entupidos têm dificuldade para escoar o grande volume de água. Neste mesmo local, por pouco a água não invadiu os estabelecimentos comerciais próximos.

Há relatos de  danos em várias ruas da cidade. Moradores postaram fotos com dificuldades de saírem de casa porque a água interrompeu o acesso. Já no interior do município, estragos nas estradas também foram registrados.

Segundo moradores, o maior volume de chuva aconteceu, até o momento, na divisa entre Caçapava e Bagé, próximo a ponte do Rio Camaquã, onde as informações são de que até às 11h a precipitação foi superior a 125 milímetros.

Por outro lado, a chuva  está sendo bem vinda para os produtores rurais, já que a estiagem em vários pontos do município estava se tornando preocupante, além da falta d`agua para consumo em várias regiões. Esse volume de chuva pode ter resolvido muitos problemas com o abastecimento de água no interior e salvado várias lavouras.

Na cidade, até às 10h30min o volume de chuva foi de 40 milímetros, mas este número varia dependendo da região.

sexta-feira, 15 de janeiro de 2021

Após declaração de cogestão da Região R27, Caçapava emite novo Decreto


 A R27, Região de Cachoeira do Sul, que Caçapava faz parte do modelo de Distanciamento Moderado do Rio Grande do Sul, está com Declaração de cogestão em relação ao Estado, sendo que, no início desta semana, o Estado do Rio Grande do Sul, emitiu novas medidas e horários. A Partir da Cogestão, e deste novo Decreto Estadual, Caçapava do Sul também emitiu Decreto (nº4633, de 15 de janeiro de 2021) que altera alguns itens de serviços.

De acordo com o Decreto Municipal, as principais mudanças são:
- Comércio e lojas no atacado e varejo: seguem o mesmo horário de atendimento, até as 19h e os protocolos de distanciamento e de cuidados com a saúde.
- Supermercados de rede, seguem com horários até as 20h e mercados familiares (de bairros e vilas) até às 22h. É permitido o ingresso de até 2 pessoas por família, sendo de responsabilidade do mercado filas de distanciamento, aferição de temperatura e disponibilização de álcool em gel na entrada, sob pena de multa. 
-Postos de combustíveis seguem horário de funcionamento sem restrição, conveniências passam a atender até às 21h, de domingo a domingo.
- Restaurantes, lancherias, lanchonetes, trailers de lanches, cervejarias e semelhantes podem atender com presença de público até meia noite, após este horário, somente com tele entrega e até às 2h. De acordo com o Decreto Estadual, shows e músicas seguem proibidos por dificultar a comunicação e entendimento durante o atendimento, uma vez que o uso de máscaras segue obrigatório. Clientes somente sentados, com distanciamento de 2m entre as mesas, com no máximo 6 pessoas por mesa. Em restaurantes bufês, é permitido o retorno do autosserviço, desde que se mantenha as medidas de higiene e restrição, bem como oferecimento de luvas para o serviço e álcool em gel. 
- Distribuidora de bebidas e bares: o atendimento foi estendido até às 23h, sendo que, após este horário, não é permitido em nenhuma modalidade, nem pegue e leve. É vedado, também, no local ou em frente, o consumo de bebida em qualquer horário, sob responsabilidade do comércio.
- Salões de Beleza, Barbearias e Estúdios de Estéticas: passam a atender das 8h às 22h, preferencialmente com horário marcado e deve manter distanciamento controlado entre 2m entre uma cadeira e outra ou um cliente por sessão.
-Academias e centro de treinamento físico: Seguem com 25% de atendimento ao público, com horário máximo permitido até às 22h.
- Bancos, lotéricas e instituições financeiras: seguem atendimento de 50% do público, sendo de responsabilidade, sob pena de multa, controle de entrada, distanciamento moderado na fila, controle de temperatura. 
- Administração Pública deve adotar a Bandeira Laranja, sendo até 75% dos servidores em atividades e prestação de serviços ativa.
- Eventos religiosos, missas, reuniões cultos: Segue com permissão de até 30 pessoas ou 20% do espaço conforme PPCI emitido pelo Alvará dos Bombeiros.
- Quadras esportivas para a prática de treinos e esportes como futebol, vôlei, basquete, bocha, tênis, patinação entre outros voltam a funcionar, das 8h às 22h, sendo proibido a presença de público (permitido a entrada somente de atletas, acima de 16 - se menor com autorização por escrito dos pais ou responsáveis- e com máscaras, aferição de temperatura e álcool em gel) e proibido competições para evitar aglomeração e trânsito de atletas de outras localidades. 
- Outras medidas, eventos corporativos ou festas particulares já agendadas, como casamento, bodas, debutes, devem ser remetidas à Secretaria de Saúde, para análise da Vigilância Sanitária e Comitê de Combate ao Coronavírus. Retorno de atividades como música ao vivo, aulas, estão sendo discutidas ainda baseada na possibilidade de início da vacinação ainda neste mês, conforme anúncio do Ministério da Saúde. 

Decreto assinado e na íntegra em:
https://cacapavadosul.rs.gov.br/.../Decreto_Executivo_N...

quinta-feira, 14 de janeiro de 2021

Falta de abastecimento de água na região da Esquina do Segredo preocupa moradores

 


O vereador Luis Fernando Torres (Boca – PT), esteve reunido na segunda-feira, dia 11, com o gestor da unidade da Corsan de Caçapava do Sul, Ary Figueiredo, e com o agente de Serviços Operacionais, Lazie da Costa Oliveira.

O objetivo da reunião foi buscar uma solução para a falta de agua nas regiões do Alto da Meia Légua, Esquina do Segredo e Vila Pereirinha.

Conforme o gerente geral da Corsan Ary Figueiredo para sanar o problema é necessário a construção de um caixa d’agua. O projeto já foi encaminhado para a direção da Companhia em Porto Alegre, mas é preciso a doação da área para realização da obra, o que solucionaria a falta de abastecimento na região.

O vereador Boca Torres entrou em contato com o chefe de gabinete do diretor do DAER (Departamento Autônomo de Estradas e Rodagem), Pablo Teixeira, onde ficou agendado uma reunião para a próxima quarta-feira, dia 20.

Conforme o vereador, na oportunidade será entregue um pedido oficial de doação da área para a construção da caixa d’agua, próximo a RS 357.

“Estamos dando um grande passo para solucionar o problema de abastecimento de água nessas comunidades”, disse o vereador Boca.

Vacinação deve começar na quarta-feira de forma simultânea em todo o país


 O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, informou agora há pouco, em reunião que ocorre  com prefeitos de todo o país na manhã desta quinta-feira (14), que o início da vacinação contra o coronavírus vai ocorrer de forma simultânea a partir das 10h da próxima quarta-feira (20). 

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) vem informando que decidirá sobre a autorização para uso emergencial das vacinas de Oxford e CoronaVac no domingo (17), mas Pazuello informou que essa decisão pode ser dada já no sábado (16), de forma a antecipar o envio das doses para todas as capitais do Brasil. Questionada, a Anvisa disse que a decisão está marcada para domingo e que não tinha conhecimento de antecipação.

O calendário apresentado pelo ministro a prefeitos inclui um evento no Palácio do Planalto na terça-feira (19) para marcar o início da campanha de vacinação. Um dia depois, na quarta-feira, deve ser dada a largada oficial para a campanha de imunização. No Rio Grande do Sul, entre 200 mil e 300 mil doses devem chegar entre segunda (18) e terça-feira.

Governo do Estado prepara estrutura para vacinar gaúchos contra a Covid-19

 


Com previsão de o Ministério da Saúde iniciar a campanha de vacinação contra a Covid-19 na segunda quinzena de janeiro, a secretária da Saúde, Arita Bergmann, diretores e técnicos da Secretaria da Saúde (SES) se reuniram nesta quarta-feira (13/1) para acertar o detalhamento do plano estadual, em elaboração desde dezembro.

Enquanto não existem definições específicas do governo federal para a data de início da campanha e a quantidade de doses a ser enviada aos Estados, a equipe da SES alinha estratégias para a logística de vacinação no RS.

“Assim que a vacina chegar ao Rio Grande do Sul, já temos estrutura e planejamento para iniciar a vacinação”, afirma Arita. De acordo com a diretora do Centro Estadual de Vigilância em Saúde (Cevs), Cynthia Molina-Bastos, o processo de vacinação contra a Covid-19 será o mesmo de outras campanhas de imunização, como a da influenza, realizada anualmente.

A secretária Arita informou que o Ministério da Saúde sinaliza adquirir todas as vacinas liberadas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), e fará a distribuição das doses de forma igualitária entre os Estados. Da mesma forma, o governo do Estado distribuirá aos municípios quantidade proporcional à população a ser vacinada.

De acordo com o Plano Nacional de Imunização, os grupos prioritários para a campanha são profissionais na linha de frente em contato direto com o vírus, como pessoas que trabalham em Unidades de Tratamento Intensivo (UTI), centros de triagem e Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu); idosos em lares de longa permanência; idosos fora desses lares escalonados por faixa etária (mais de 80 anos; de 75 a 79 anos; de 70 a 74 anos); indígenas e quilombolas. A estimativa é que cerca de 1 milhão de pessoas façam parte dessas populações.

“Como a quantidade a ser recebida inicialmente talvez não seja suficiente para aplicar as doses em toda essa população de uma vez, teremos de adotar critérios. De qualquer forma, se tivermos que fazer escolhas, os primeiros a receber serão profissionais que trabalham diretamente no atendimento a pacientes Covid. Teremos que nos adequar à quantidade disponível”, ressalta Arita.

Em relação às agulhas e seringas, a SES terminou 2020 com um estoque de 4,5 milhões de seringas, e foram adquiridas, por registro de preços, mais 10 milhões de seringas agulhadas. A entrega desses insumos aos municípios será escalonada e integrada com a distribuição da vacina. De acordo com a secretária, esses itens, além da possibilidade de recebimento de agulhas e seringas do Ministério da Saúde somados aos estoques dos municípios, serão suficientes para atender toda a demanda da vacinação contra a Covid e das outras campanhas que ocorrem em paralelo (como influenza, sarampo e todo o calendário básico de vacinação).

Sobre armazenamento de vacinas, Arita destacou: “temos capacidade adequada tanto em Porto Alegre como nas Coordenadorias Regionais de Saúde (CRS) para armazenar e conservar as vacinas da Covid”. Nas últimas semanas, a SES fez a entrega de 43 câmaras de conservação no interior. Somadas às já existentes nas CRS, agora totaliza estrutura de 96 câmaras refrigeradas.

A rede de logística de vacinação do Rio Grande do Sul é formada por 18 Centrais Regionais de Frio (uma em cada CRS), uma Central Estadual de Distribuição e Armazenamento de Imunobiológicos (Ceadi), dois Centros de Referência de Imunobiológicos Especiais (Cries) – um estadual e um do município de Porto Alegre. Também há cerca de 1.800 salas de vacinas em todo o Estado.

A Ceadi tem área de armazenamento de 160 m³, composta por duas câmaras frigoríficas fixas (total de 94 m³) e um contêiner externo auxiliar (59 m³), todos funcionando em temperatura na faixa de 2°C a 8°C. De imediato, é possível armazenar até 3 milhões de doses de vacina. Para a distribuição pelo Estado, a Ceadi tem um caminhão baú refrigerado, com capacidade de transportar até 600 mil doses por vez. Mais um caminhão baú chegará em fevereiro, e há possibilidade de locação de mais dois veículos e parceria com empresas privadas ou órgãos estatais. “Para agilizar o processo, as coordenadorias e municípios podem vir até Porto Alegre buscar”, informou Arita.

Em cada município, a gestão local poderá definir as melhores formas de vacinar sua população e evitar aglomerações, como indicar locais e horários que funcionem melhor para cada realidade. “Também poderão ser deslocados profissionais vacinadores aos lares de idosos e em casos em que as pessoas tenham dificuldades de locomoção”, exemplificou a secretária.

O secretário-executivo do Conselho das Secretarias Municipais de Saúde (Cosems-RS), Diego Espíndola, falou que os municípios e o Estado trabalham juntos para garantir agilidade e acesso da população à vacinação contra a Covid. "Queremos levar essa vacina aos quatro cantos do Rio Grande. Estamos ampliando a rede de frio do Programa Estadual de Imunizações e isso faz com que os gaúchos possam se vacinar o quanto antes”, disse Espíndola.

 

Texto: Marília Bissigo/Ascom SES
Edição: Marcelo Flach/Secom